Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Renata Afonso’

VII Seminário Médico/Mídia aproxima médicos e jornalistas


SIMESP

A sétima edição do Seminário Médico/Mídia, realizado pela primeira vez em São Paulo, na sede do Simesp, entre os dias 19 e 20 de abril, reuniu médicos e jornalistas de todas as regiões do país para discutir o cenário atual da comunicação e do jornalismo e a cobertura de saúde na mídia tradicional e nas novas mídias. Organizado pela Federação Nacional dos Médicos em parceria com o Conselho Federal de Medicina, tem também o papel de contribuir para estreitar o relacionamento entre médicos e imprensa.

O presidente da Fenam e do Simesp, Cid Carvalhaes, fez um balanço positivo do evento, que debateu temas pertinentes às duas profissões. E ressaltou que os trabalhos devem sempre ser pautados pela Ética. Carvalhaes aposta na continuidade do Médico/Mídia, inclusive sendo ampliado com a participação das entidades representativas dos jornalistas, entre outras.

Os jornalistas convidados puderam compartilhar com os médicos e colegas sua experiência no dia-a-dia do jornalismo. A repórter de TV, Renata Afonso, falou sobre o “compromisso com a verdade e a qualidade da informação”, que passa pela apuração detalhada e deve contar com a colaboração do entrevistado no esclarecimento das dúvidas do profissional de comunicação. Quem dividiu a mesa com Renata foi o vice-presidente do CFM, Desiré Callegari. “A verdade sempre aparece, por isso, ao sermos entrevistados, temos de ser o mais verdadeiro possível”, considerou.

A jornalista Daniela Damaso falou sobre o papel do assessor de imprensa. Para ela, um facilitador do trabalho do repórter. Já o jornalista do CFM, Paulo Henrique de Souza, define esse profissional como uma pessoa de papel estratégico dentro das instituições, trabalhando lado a lado com a diretoria e a presidência, pensando junto. “O trabalho do assessor de comunicação evoluiu e, hoje, ele também é um facilitador para a instituição que ele representa. Ele é o elo entre a instituição e a sociedade”, destacou. O jornalista Paulo Luchetti apresentou cases que mostram como a comunicação é vital para as instituições.

O professor e jornalista Wagner Belmonte trouxe uma discussão mais aprofundada sobre o papel do jornalista, da reportagem e dos conglomerados de comunicação. Para ele, regulação não é sinônimo de cerceamento. Sua apresentação, teve como ponto central a Ética do jornalista.

Sobre publicidade médica, o conselheiro do CFM, Emmanuel Fortes, apresentou as principais mudanças com a Resolução 1974/2011 do CFM. “Defendemos a honestidade da informação”, apontou o médico. E o publicitário Olavo Rocha falou sobre os desafios de trabalhar com as restrições impostas pela resolução.

Outro tema discutido foi o sigilo do paciente e o direito à informação. O presidente do Cremesp, Renato Azevedo, dividiu a mesa com o jornalista do Senado Federal Ricardo Westin. Para Azevedo, o sigilo profissional é a base para uma relação de confiança entre o médico e seu paciente, e lembrou que em apenas três situações pode haver quebra dessa confidencialidade: por motivo justo, por dever legal e por consentimento do paciente. No dia anterior o jornalista Murilo Pizzolotti, assessor de Comunicação da Secretaria Municipal de Saúde, havia tocado no assunto. “O silêncio também, às vezes, é uma resposta” considerou.

Fazer uma análise sobre a cobertura política em saúde e a medicina na política, foi o desafio do diretor da Fenam, Eduardo Santana, e do jornalista Renato Strauss.

Grande parte da discussão do Médico/Mídia deste ano girou em torno das novas mídias, o poder das redes sociais e a importância da convergência dessa mídias, além das implicações das consultas ao Dr. Google – tema debatido pela jornalista Fernanda Aranda e pelo diretor da Fenam, Ednaldo Lemos. A jornalista Taciana Giesel, da Fenam, discorreu sobre as principais características e impacto de cada uma das redes sociais, juntamente com o profissional de tecnologia da informação, Walder Júnior. Quem também destacou o tema foi o diretor do da Fenam, Waldir Cardoso, apresentando exemplos da força das novas mídias.

Sem negar a importância das novas mídias, o presidente da Fenam, Cid Carvalhaes, acredita que as mídias tradicionais ainda são insubstituíveis e, mais ainda, “o olho no olho, os encontros presenciais”. E que a comunicação institucional deve olhar não somente para fora, mas também investir na comunicação interna.

Fonte: SIMESP
Anúncios

Read Full Post »